Susy, trans que estuprou criança e foi abraçada por Drauzio Varella revolta a web

A polêmica reportagem com transexuais presos exibida pelo Fantástico, da Rede Globo, no último dia 01 de março, abriu um debate acalorado na internet, mas com a maioria dos internautas expressando revolta contra o detento Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos, mais conhecido como “Susy”.

Na reportagem feita pelo médico Drauzio Varella, a história de Susy na prisão foi retratada de modo dramático, destacando-se o período de quase oito anos em que o mesmo não recebe visitas. Diante disso, a iniciativa do apresentador de abraçar o transexual comoveu milhares de pessoas, que viram nisso um gesto de solidariedade.

O que a reportagem do Fantástico não revelou, no entanto, foi o motivo pelo qual Susy foi preso, mas uma matéria publicada pelo site MBL News tratou de expor o lado macabro por trás da história contada de forma romantizada pela Rede Globo.

Estupro e assassinato de menor

O processo judicial da transexual Susy revela que Rafael (seu nome de batismo) “praticou atos libidinosos consistentes em sexo oral e sexo anal com o menor Fábio dos Santos Lemos, que à época contava com apenas 09 anos de idade”.

O crime ocorreu em uma segunda-feira do mês de maio de 2010, na Rua Santa Catarina, nº 34, no bairro União de Vila Nova. Após o estupro do menor, Susy estrangulou a criança até à morte. O corpo do menino permaneceu na residência por dois dias, até estar em estado de decomposição, quando só então Susy o pegou e o colocou na frente da casa dos pais da criança.

Susy é acusada de outros abusos

A tia de Susy, Carlita Teixeira dos Santos, comentou sobre o histórico problemático do transexual, alegando que ele teria praticado outros crimes no passado, incluindo o abuso sexual contra uma criança de apenas três anos.

“Ele roubava, mentia, não ia para a escola, até doze anos coisas de criança, mas depois dos doze começou a roubar com arma, usava maconha. (…) Fiquei sabendo que ele trabalhava na padaria e foi acusado de estar abusando de uma criança de três anos e os parentes da criança foram na minha casa atrás dele, querendo matar ele”, disse ela, segundo o MBL.

Reação da internet

Com a revelação do crime brutal praticado por Susy, a reação da população que antes foi de compaixão por sua história de solidão se converteu em revolta, pois para muitos a Rede Globo não tratou com honestidade o caso, deixando de mostrar o que estaria por trás da sua punição.

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) criticou a reportagem da Globo, cobrando uma retratação para com os familiares do menino assassinado por Susy.

“Imagino a dor da família da vítima, ao sofrer uma segunda injustiça! A pessoa algoz retratada como a vítima da história! Francamente! Solidariedade a esta família duplamente agredida! O discurso hipócrita, que domina os meios de comunicação, só torna mais difícil a vida das pessoas que apenas bradam por igualdade, respeitando os demais”, escreveu a parlamentar em suas redes sociais.

O médico Drauzio Varella afirmou que não é “juiz”, mas sim médico, argumentando que não realizou a reportagem para julgar o crime de Susy.

“Há mais de 30 anos, frequento presídios, onde trato da saúde de detentos e detentas. Em todos os lugares em que pratico a medicina, seja no meio consultório ou nas penitenciárias, não pergunto sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado”, disse o médico em nota, segundo o Correio Braziliense.

“No meu trabalho na televisão, sigo os mesmos princípios. No caso da reportagem, veiculada pelo Fantástico na semana passada (1º/3), não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz”, completa a nota.

“Terminem no inferno”

Para o ministro da Educação, no entanto, o médico e a Rede Globo erraram ao desprezar o sofrimento dos familiares da criança assassinada por Susy, uma vez que a reportagem exibida em rede nacional deixou de prestar qualquer solidariedade à vítima, fazendo parecer que a solidão do transexual seria devido à sua condição sexual, e não por causa do seu histórico de barbaridades.

“Não é juiz? Não é gente?! Você e marinho [referência aos proprietários da Rede Globo] NÃO conseguem pedir desculpas! NÃO têm empatia ou compaixão com as crianças e famílias vítimas desse pedófilo! Continuem defendendo esse estuprador assassino, vocês se merecem. Antes que eu esqueça: desejo que vocês terminem no inferno!”, escreveu Abraham Weintraub.

Abraham Weintraub @AbrahamWeint
 

Não é juiz? Não é gente?!
Você e marinho NÃO conseguem pedir desculpas!
NÃO têm empatia ou compaixão com as crianças e famílias vítimas desse pedófilo!
Continuem defendendo esse estuprador assassino, vocês se merecem.
Antes que eu esqueça: desejo que vocês terminem no inferno!

Ver imagem no Twitter
10,8 mil pessoas estão falando sobre isso
Fonte Gospel Mais.
 
Aílson Garcia
Administrador em Ajduk's
Sou Ailson Garcia. Tenho 41 anos e sou o criador do portal gospel Ajduk's. Também sou locutor da rádio Ajduk's, editor do portal, fotógrafo, técnico de som e administrador direto da rádio. Sou casado com Andreia Garcia e moramos em Tupã desde 1988. Desde 2000 sou cristão dedicado a levar a palavra de Deus para o mundo. Tenho prazer em fazer a obra de Deus e através deste ministério alcançar vidas em todo o mundo com a ajuda da internet.
Aílson Garcia on EmailAílson Garcia on FacebookAílson Garcia on InstagramAílson Garcia on TwitterAílson Garcia on Youtube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: