Chamado de “endemoniado”, Kleber Lucas minimiza ataques: “Nem todos são intolerantes”

Chamado de “endemoniado”, Kleber Lucas minimiza ataques: “Nem todos são intolerantes”

Kleber Lucas vem sendo alvo de comentários agressivos nas redes sociais por conta de suas manifestações ao longo dos últimos meses, em especial à participação em uma cerimônia em um terreiro, onde cantou uma música secular ao som de atabaques.

O cantor, que é pastor da Igreja Batista Soul, no Rio de Janeiro, afirmou que não tem dado audiência às críticas, que muitas vezes o definem como um “endemoniado”.

“Eu sabia o desafio que representava participar de um evento dessa natureza, em um terreiro. O espaço foi escolhido exatamente para ser um demarcador, para mostrar que somos contra a intolerância. Não fui lá para prestar um culto, mas para participar de um ato solidário. Quando a coisa foi para a mídia, tomou proporções muito grandes. Mas se você se propõe a ler essas coisas, você adoece. Não posso me propor a ler essas coisas aterradores, mas, para mim, é sintomático ver a reação negativa partindo de tantas pessoas”, declarou, em entrevista ao jornal Extra.

Meses antes, Kleber Lucas havia cantado a música Epitáfio, dos Titãs, durante um culto, e pouco tempo depois, nas celebrações do aniversário de três anos da congregação que dirige, causou estranheza ao convidar o padre Fabio de Melo para pregar no culto. De acordo com o cantor, as reações foram amplamente negativas.

“Foi um caldeirão de hostilidade. As pessoas questionavam como um pastor evangélico podia levar um padre para falar na igreja dele. Foi maravilhoso. O acolhimento do padre foi tal que quebramos o protocolo que tínhamos programado. Em determinado momento ele sairia da programação, mas gostou tanto que acabou ficando até o final. Ele nos respeitou e foi respeitado por todos”, comentou.

Recentemente, o cantor e pastor desabafou nas redes sociais ao afirmar que havia sofrido racismo da parte de um líder evangélico, anos atrás. Nesta entrevista, Kleber Lucas contemporizou: “Não me ofendeu tanto porque, a essa altura, eu já sabia quem eu era e qual era o meu lugar. Então, pelo contrário, aquilo me fez tomar a decisão de seguir meu caminho, graças a Deus. Não fiquei aprisionado na fala de um poderoso religioso”, resumiu.

Ao final da entrevista, o cantor disse que apesar das ofensas, também recebeu gestos de solidariedade por sua iniciativa de participar do evento no terreiro: “Nem todo cristão faz intolerância. Independentemente do credo, nós podemos e devemos ter uma convivência pacífica. A religião se propõe, em primeiro lugar, a uma conexão com o sagrado, e em segundo, a uma conexão com seu próximo. Preciso respeitar a fé do meu irmão”.

Fonte Gospel Mais

Compartilhe
Aílson Garcia
Administrador em Ajduk's

Sou Ailson Garcia. Tenho 39 anos e sou o criador do portal gospel Ajduk’s. Também sou locutor da rádio Ajduk’s, editor do portal, fotógrafo, técnico de som e administrador direto da rádio. Sou casado com Andreia Garcia e moramos em Tupã desde 1988. Desde 2000 sou cristão dedicado a levar a palavra de Deus para o mundo. Tenho prazer em fazer a obra de Deus e através deste ministério alcançar vidas em todo o mundo com a ajuda da internet.


Aílson Garcia on EmailAílson Garcia on FacebookAílson Garcia on InstagramAílson Garcia on TwitterAílson Garcia on Youtube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: